Connect with us

Mercado de Ações

Ações para investidores iniciantes ficarem longe

Publicado

em

Ações para investidores iniciantes ficarem longe
Imagem: Oleg Gamulinskii / Pixabay

Segundo dados da B3, o número de investidores pessoa física com ativos em renda variável cresceu 34%. Cerca de 1 milhão de pessoas abriram contas nos últimos 12 meses, levando o número total de investidores para 17,6 milhões.

Das atuais 5,3 milhões de pessoas que investem em renda variável na B3, 49% têm entre 25 e 39 anos. Essa também é a faixa etária em que 45% dos novos investidores entraram no mercado de ações.

Com esse crescente número de novos investidores, é preciso tomar cuidado com o que investir, já que a renda variável pode não ser adequado para investidores com certos perfis.

Existem três perfis de investidores: o conservador, que prefere aplicações mais seguras; o moderado, que ainda mantém forte interesse pela segurança em busca de bons retornos; e o agressivo, que busca rendimentos maiores e está ciente dos riscos.

Pensando nisso, confira as ações que investidores iniciantes devem ficar longe:

Oi (OIBR3;OIBR4)

Oi. Foto: Reprodução Facebook/Oi

Como já é notório, a Oi está em sua segunda recuperação judicial. Hoje, ela tem o dobro do número de credores listados do que no primeiro processo de recuperação, ou seja, 159,2 mil credores. A dívida da Oi hoje é de R$ 44,36 bilhões.

Veja também:  Via Varejo termina dia em alta de 12%; após saída do acionista controlador Michael Klein

As ações da Oi são negociadas na Bolsa de Valores a R$ 0,59, sendo consideradas ações penny stocks, que são ações negociadas abaixo de R$ 1 real. Para o investidor iniciante, o preço de R$ 0,59 pode parecer atraente, mas, com a atual situação financeira da empresa, não é recomendada.

Magazine Luiza (MGLU3)

Foto: Reprodução/Internet

A ação do Magazine Luiza (MGLU3) já foi a “queridinha” da Bolsa de Valores. Os papéis da varejista já subiram 15.467% e chegaram a valer R$ 148,49. Hoje, as ações sofrem na B3 e não são negociadas a R$ 1,79. O varejo está em crise desde a pandemia e o juros alto atrapalha ainda mais a retomada do setor.

Americanas (AMER3)

Imagem: Reprodução/Internet

Americanas está em uma situação pior que Magazine Luiza. A descoberta de inconsistências contábeis da ordem de R$ 50 bilhões, o rombo da Americanas, é um dos principais fatores que contribuíram para a queda das ações da empresa. A varejista também fechou 88 lojas de janeiro de 2023. Na bolsa de valores, os papéis eram negociados a R$ 12, mas hoje valem R$ 0,77.

Google news
Compartilhar:

Tendência