Connect with us

Dinheiro

Governo irá cobrar 60% de imposto para compras internacionais 

Publicado

em

De acordo com a Receita Federal, as plataformas estão usando indevidamente a isenção do imposto de importação em compras internacionais de até US$ 50 que é válida apenas para transações entre pessoas físicas. Elas estariam enviando as encomendas como se fossem remetentes pessoas físicas, mesmo sendo empresas.

Além disso, outra tática mencionada é dividir um único pedido em diversos pacotes menores para evitar ultrapassar o limite de isenção.

Segundo a Receita Federal, a decisão não é uma nova taxa para as varejistas, mas sim uma tentativa de combater a evasão fiscal no comércio eletrônico, já que, por lei, as compras feitas nessas plataformas estão sujeitas ao imposto de importação.

Para compras abaixo de US$ 500, o imposto de importação é fixado em 60% do valor aduaneiro, que é a soma do valor da mercadoria, frete e seguro (se houver). Para compras entre US$ 500 e US$ 3.000, o limite máximo de importação para pessoa física, outras taxas também são aplicáveis. Portanto, dependendo do valor do frete, o imposto pode ser mais caro do que o próprio valor da mercadoria.

Veja também:  Cielo (CIEL3): Ações operam em alta

Lojas online chinesas entram na mira do governo

Impostos em alta

Nos primeiros três meses de seu mandato, o governo de Lula tem implementado medidas para aumentar a arrecadação do país, incluindo o aumento de impostos e a retomada da cobrança de PIS/Cofins sobre os combustíveis e a taxação da exportação de petróleo bruto.

Agora, o Governo Lula corre atrás de bilhões em impostos dos sites de apostas esportivas.

Compartilhar:

Tendência