Connect with us

Empresas

Raízen vai comprar unidade de açúcar e etanol da Louis Dreyfus Biosev

Publicado

em

Raízen vai comprar unidade de açúcar e etanol da Louis Dreyfus Biosev

SÃO PAULO / NOVA YORK (Reuters) – A brasileira Raízen, joint venture entre a Royal Dutch Shell Plc e a Cosan SA, concordou em comprar a Biosev (BSEV3), unidade de açúcar e etanol controlada pela Louis Dreyfus, em um negócio à vista, as empresas disseram na segunda-feira.

A Raízen vai pagar 3,6 bilhões de reais (US $ 670,3 milhões) aos acionistas da Biosev, que também receberão 3,5% das ações preferenciais da Raízen, mais 1,49% das ações resgatáveis, disse em um documento regulatório. A empresa se recusou a divulgar o preço total de compra.

O acordo fortalece a posição da Raízen como a maior produtora de açúcar do mundo em um momento em que os preços do açúcar estão perto dos níveis mais altos em quatro anos. Também aumenta a presença da Raízen no mercado de energia da América do Sul.

Após a aquisição, a empresa passará a operar 35 usinas no Brasil com capacidade de moagem de cana-de-açúcar de 105 milhões de toneladas por ano, equivalente a 17% da safra centro-sul do Brasil em 2019/20. A Biosev e a Raízen produziram cerca de 5 milhões de toneladas de açúcar e 3,84 bilhões de litros de etanol em 2019/20.

VOCÊ PODE GOSTAR:  Gol propõe incorporação da Smiles a R$22,32 por ação, que sobe quase 6%

“Foi uma grande oportunidade. A Biosev tem boas plantas; eles têm um bom funcionamento. O problema lá era financeiro, não operacional ”, disse o presidente-executivo da Raízen, Ricardo Mussa, à Reuters.

“A Biosev tem uma flexibilidade maior para mudar a produção do açúcar para o etanol. Isso se encaixará bem em nossa estratégia de expandir a produção de etanol. ”

A Raízen, que registrou receita líquida de 120 bilhões de reais em 2019/20, é uma grande distribuidora de combustíveis no Brasil e na Argentina. A empresa recentemente fez licitações para as refinarias pertencentes à estatal brasileira Petrobras.

As ações da Biosev subiram 6% no Brasil, enquanto as ações da Cosan SA, sócia da Shell no empreendimento Raízen, subiram 4,4%.

A venda da Biosev dá continuidade à revisão das finanças da Louis Dreyfus depois que ela concordou em novembro em vender uma participação de 45% em seu principal negócio de comércio de commodities, Louis Dreyfus Company BV (LDC), para a empresa de investimento estatal de Abu Dhabi ADQ.

Louis Dreyfus não divulgou o preço da transação com a ADQ na época, mas especificou que pelo menos US $ 800 milhões dos recursos iriam para o pagamento de um empréstimo de US $ 1 bilhão que a LDC havia feito anteriormente para resgatar a Biosev.

VOCÊ PODE GOSTAR:  China suspende importações de três frigoríficos brasileiros

A dívida da Biosev de cerca de 7,7 bilhões de reais não foi incluída no negócio e permanecerá com seus atuais acionistas.

A empresa disse que está em negociações com bancos para refinanciar dívidas de 4,13 bilhões de reais que devem permanecer após o pagamento à vista de Raízen de 3,6 bilhões de reais.

O acordo Raízen-Biosev também inclui um pagamento de earn-out de até 350 milhões de reais a ser feito pela Raízen aos acionistas da Biosev após o quinto aniversário da data de fechamento, que dependerá dos preços do açúcar e do etanol.

A Dreyfus vem procurando opções para a Biosev altamente endividada há anos, incluindo encontrar um parceiro ou vender a empresa.

Como a maior parte da dívida da Biosev era em moeda estrangeira, a forte desvalorização do real nos últimos dois anos agravou seu endividamento.

($ 1 = 5,3704 reais)

Reportagem de Roberto Samora e Marcelo Teixeira; Reportagens adicionais Gus Trompiz, em Paris, e Tatiana Bautzer, em São Paulo; Edição de Jan Harvey e Lisa Shumaker

Compartilhar:

Siga-nos no Google News

Siga-nos nas Redes Sociais

Ações Mais Procuradas

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Receba notícia atualizadas