Connect with us

Mercado de Ações

Preço do petróleo cai abaixo de US$ 100 com liberação de reservas e lockdown na China

Publicado

em

Preço do petróleo cai abaixo de US$ 100 com liberação de reservas e lockdown na China

Por Bozorgmehr Sharafedin

LONDRES (Reuters) – Os preços do petróleo caem 4 dólares o barril nesta segunda-feira, com o Brent sendo negociado abaixo de 100 dólares, influenciados pelos planos de liberação de volumes recordes de petróleo e derivados de estoques estratégicos e pelos contínuos lockdowns na China para contenção do coronavírus.

O petróleo Brent para entrega em junho caía 4,26 dólares, ou 4,14%, a 98,52 dólares por barril às 11h10 (horário de Brasília). O petróleo bruto dos Estados Unidos (WTI) perdia 4,15 dólares, ou 4,23%, para 94,11 dólares.

O Bank of Americamanteve sua previsão para o petróleo Brent em uma média de 102 dólares por barril para 2022-23, mas reduziu a previsão para junho para 120 dólares. O banco de investimento suíço UBS também reduziu sua previsão para o Brent em junho, para 115 dólares o barril.

VOCÊ PODE GOSTAR:  Varejista Havan desiste de IPO

Os países membros da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) liberarão 60 milhões de barris nos próximos seis meses. Os Estados Unidos anunciaram, em março, a liberação de 180 milhões de barris.

A liberação dos volumes da Reserva Estratégica de Petróleo (SPR) equivale a 1,3 milhão de barris por dia (bpd) nos próximos seis meses e é suficiente para compensar um déficit de 1 milhão de bpd no fornecimento de petróleo russo, disseram analistas do JP Morgan.

O mercado também tem observado os desenvolvimentos na China, onde as autoridades mantiveram Xangai em lockdown sob sua política de “tolerância zero” para a Covid-19. A cidade chinesa começou a afrouxar seu lockdown em algumas áreas nesta segunda-feira.

VOCÊ PODE GOSTAR:  Competição acirrada no mercado de cervejas apaga o brilho da Ambev

(Por Bozorgmehr Sharafedin em London, reportagem adicional de Florence Tan e Isabel Kua em Singapura e David Gaffen em Nova York)

Informações Reuters

Compartilhar: