CONECTE-SE CONOSCO

Empresas

B2W segue com crescimento forte de vendas em abril, prepara “social commerce”

Publicado

em

SÃO PAULO (Reuters) – A B2W (BTOW3) segue registrando forte crescimento de vendas após o primeiro trimestre, com o avanço em abril ocorrendo no maior ritmo até agora, afirmaram executivos da gigante brasileira de comércio eletrônico nesta sexta-feira.

A companhia, dona de plataformas como Americanas.com, Submarino e Supermercado Now, apurou crescimentos de vendas de 83% em janeiro, 90% em fevereiro e de 98% em março.

“Abril temos com crescimento bastante sólido, seguimos observando cenário bastante positivo de crescimento”, afirmou o diretor de relações com investidores, Raoni Lapagesse, em teleconferência com analistas.

“Quando a gente olha uma base composta de crescimento de dois anos, 2021 contra 2019, abril foi o mês em que tivemos o melhor crescimento do ano até agora”, afirmou sem dar números.

A companhia, que está se preparando para se fundir com as operações da controladora Lojas Americamas, divulgou na noite da véspera que suas vendas quase dobraram no primeiro trimestre, mas seu prejuízo cresceu diante de maiores subsídios para fretes grátis. As ações da B2W exibiam queda de 2,2% às 13h53, enquanto o Ibovespa subia 0,7%.

Segundo o executivo, apesar do forte crescimento de vendas, o modelo financeiro de expansão da companhia “para em pé”.

A B2W segue com agenda “bastante robusta” de fusões e aquisições, disse, mesmo após oito operações desde janeiro de 2020, que incluíram a própria Supermercados Now, responsável por impulsionar as vendas de itens de supermercados na plataforma.

A mais recente parceria ocorreu com a startup britânica “OOOOO”, com um modelo de negócio chamado “social commerce”, que mescla de conteúdo de entretenimento e interação ao vivo, com foco em ampliar engajamento com consumidores.

LEIA TAMBÉM:  Banco Inter recomenda compra de B2W com preço-alvo em R$ 102

Segundo Lapagesse, a B2W vai lançar um aplicativo com recursos da OOOOO ainda em maio. O acordo envolve exclusividade de uso da tecnologia pela B2W no Brasil. Uma formação de joint-venture entre as partes também é opção, afirmou o executivo.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Compartilhar:

Ações Mais Procuradas

Siga-nos no Google News

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Siga-nos no Twitter

Receba notícia atualizadas