Connect with us

ações

Oportunidade: As ações mais descontadas da Bolsa em cada setor para comprar

Publicado há

em

Antes de apresentar a lista das ações mais descontadas da Bolsa de Valores, é importante conter a ansiedade e não se precipitar em apenas considerar o valor de mercado dos papeis, alguns pontos chaves são necessários e importantes, especialmente para os novatos que ainda não tem muita experiência com o mercado de ações. Porém chamam atenção por oferecer melhores oportunidades para a compra.

Logo abaixo está listada as ações mais descontadas de acordo com cada setor

Setor: Petróleo

  • Ação mais descontada: Petrobras (PETR4)
  • Preço/Valor patrimonial: 1,12x
  • Por que está barata: Comparada a seus pares internacionais (Shell, Total, Exxon, Chevron), a estatal de petróleo brasileira apresenta a melhor relação entre o preço da ação e seu valor patrimonial. No confronto com a PetroRio (PRIO3), concorrente em menor escala nacional, ainda assim a Petrobras sai vitoriosa neste tipo de comparação. “Trata-se sem dúvida de uma empresa, cujos desinvestimentos e otimização operacional, podem levar a um patamar ainda mais salutar”, destaca a equipe de research da Ativa.

Setor: Utilities

  • Ação mais descontada: Copel (CPLE6)
  • Preço/Valor patrimonial: 0,85x
  • Por que está barata: Mesmo com uma despesa operacional superior a seus pares (Alupar, Eneva, Engie, Cemig, Light etc), o time da Ativa chama atenção para o mix de geração, transmissão e distribuição da companhia. A contratação de um banco e escritório de advocacia para vender o controle da Copel Telecom mostra que a empresa tem um enfoque claro e definido. “Seu relativo desconto perante os pares talvez mostre uma desconfiança com o passado da empresa, que vem sendo apagado com contínuas ações de otimização, como redução de custos e diminuição de investimentos”, completa a equipe.

Setor: Varejo de moda

  • Ação mais descontada: Lojas Marisa (AMAR3)
  • Preço/Valor patrimonial: 1,91x
  • Por que está barata: Após conquistar seu espaço no varejo fast fashion, a rede arrumou a casa, mostrando disposição para fechar lojas deficitárias e reestruturar equipes. No entanto, os analistas da Ativa preferem Lojas Renner (LREN3) dentro do setor. “É um dos destaques entre os pares do varejo, mostrando soluções inteligentes e modernas para demandas do dia a dia.  Apesar dos múltiplos inflados, a companhia possui excelentes fundamentos que podem ser um bom vetor de captura no novo cenário econômico”.

Setor: Carnes

  • Ação mais descontada: JBS (JBSS3)
  • Preço/Valor patrimonial: 2,78x
  • Por que está barata: A JBS é dona de uma operação extremamente grande, de um portfólio extenso e com marcas fortes e atuação global, o que permite uma diversificação em relação a riscos locais e a captura de um leque de oportunidades, frisou a Ativa. Tem alta exposição ao dólar, tanto pelo faturamento quanto pela dívida. “A empresa está passando por um processo de desalavancagem, desfazendo-se de ativos e reduzindo seu endividamento líquido. A geração de caixa, em relação aos seus pares, juntamente com outros múltiplos do setor, direcionam nossa visão positiva para o ativo”, acrescentaram os analistas.

Setor: Financeiro

  • Ação mais descontada: Pine (PINE4)
  • Preço/Valor patrimonial: 0,49x
  • Por que está barata: O banco diz que trabalha para aumentar sua base de clientes enquanto pulveriza riscos e planeja vender ativos. Embora seja o papel mais descontado do setor, não é o preferido da Ativa, que prefere o Itaú Unibanco (ITUB4) por sua parte operacional, que costuma surpreender. “Apesar de ter uma carteira de crédito já consolidada, o banco continua em expansão”, diz a equipe de research. Com o bom histórico de rentabilidade, mesmo após trimestres decepcionantes, o time acredita que o banco pode retomar seus múltiplos hoje depreciados com maior facilidade.

Setor: Shoppings

  • Ação mais descontada: Alliansce – Sonae (ALSO3)
  • Preço/Valor patrimonial: 0,81x
  • Por que está barata: Após a crise econômica, as ações dos shoppings ficaram um bom tempo sem chamar atenção e a Alliansce Sonae está entre as possível ações negociadas abaixo de seu valor real. No entanto, a Ativa prefere os papéis da BrMalls, que passa por uma readequação no portfólio, buscando resultados mais rentáveis. “Com a venda de participações em mais sete ativos não core, confiamos em sua estratégia”, defende a equipe da corretora.. Destaca-se também a parceria com o Mercado Livre com soluções de marketplace, integrando os negócios físico e digital. 

Setor: Siderurgia

  • Ação mais descontada: Usiminas (USIM5)
  • Preço/Valor patrimonial: 0,63x
  • Por que está barata: A recuperação econômica, a crise da Argentina e a maior aversão ao risco, sobretudo nos mercados siderúrgicos, pautam mais do que nunca o futuro da empresa à dinamicidade da economia brasileira, aponta a Ativa. “Existe um hiato entre os preços de aço praticados pela empresa e pelo mercado externo e que pode ser melhor explorado”. Os analistas esperam um súbito aumento do capital de giro este trimestre e índices normalizados a partir do próximo balanço. “Ressaltamos que o papel progredirá em correlação positiva à produtividade no cenário nacional”.

Setor: Mineração

  • Ação mais descontada: Vale (VALE3)
  • Preço/Valor patrimonial: 1,46x
  • Por que está barata: Comparada a seus pares internacionais (Rio Tinto e BHP), a Vale é a mais descontada no momento. Segundo a Ativa, a retomada da produção nas minas de Brucutu e Vargem Grande cria condições para a companhia retomar os níveis habituais de produção. “A assunção da quase totalidade dos impactos de Brumadinho deve eximir o próximo balanço de efeitos não recorrentes”, ressaltam os analistas, que não acreditam em uma tarifação extra proposta na CPI de Brumadinho. “O risco de médio/longo prazo está montado na estabilização da oferta de suas concorrentes e por conseguinte, na queda do preço do minério, algo que não acreditamos que ocorrerá no curto prazo”, finaliza o time da corretora.

Fonte: Exame

Tendência