Connect with us

Investimentos

A cilada do grupamento de ações

Publicado

As ações da empresa Metalgráfica Iguaçu (MTIG4), negociadas na BM&FBovespa, foram agrupadas na proporção 50X1, passando de um valor de fechamento do dia anterior cotado a 0,05 reais por ação para um novo valor cotado a 2,50 reais por ação (50X0,05=2,50). Quando o mercado acordou o novo valor não se sustentou por muito tempo, pois houve uma corrida agressiva de investidores se desfazendo daqueles papéis, talvez prevendo uma desvalorização ainda mais acelerada dos mesmos. Não deu outra, ao final do pregão daquele dia tal ação sofreu perdas na ordem de 24%, sendo que a mínima do dia chegou a registrar perdas de 37,2%.

Entretanto, quando a ação dessa companhia era negociada na casa dos centavos, havia uma sensação de certa estabilidade relativa ao seu valor no horizonte de tempo que, apesar de certa volatilidade, geralmente, retornava ao seu valor de abertura. Este foi, apenas, o primeiro dia de negociação já com esta derrocada. Esta ação pode muito bem, ainda, recuperar-se e, quem sabe, valorizar-se ao longo do tempo. Porém, se atentarmos para exemplos similares a grupamento de ações de outras companhias, podemos obeservar que o que ocorre, geralmente, é a contínua desvalorização dos papéis agrupados. Se antes, a desvalorização podia ser limitada (uma vez que a ação estava muito próxima de 0,01 reais), agora, esta mesma ação tem um espaço para desvalorização ainda maior (uma vez que está distante de 0,01 reais).Pregão de hoje confirma “cilada” e ação da Metal Iguaçu despenca 24% após grupamento.


Com a ameaça recorrente da BM&FBovespa de banir da bolsa empresas com ações negociadas aos centavos, empresas correm contra o tempo para se utilizarem da prática do grupamento de ações como forma de aumentarem o valor de face das mesmas e garantirem seu lugar na bolsa. Uma verdadeira cilada


Muito embora o grupamento aumente o valor de face das ações ele não se sustenta ao longo do tempo, pois a empresa permanece com os mesmos fundamentos de outrora. Não há mudança conjuntural significativa que justifique àquele valor e o que ocorre é uma sensação de supervalorização da ação embora seu valor real (com relação ao seu valor de face inicial 0,04X50=2,50) seja o mesmo. Então, abre-se espaço para uma pressão vendedora que leva o valor de face das ações ainda mais para baixo.

A resposta do diretor da empresa, quando questionado pela revista InfoMoney sobre a possibilidade do grupamento abrir espaço para maiores quedas, foi dizer que não comentaria o caso, acrescentando que “isso dependeria das forças de mercado”. A BM&FBovespa que regula essa prática não oferece muitas restrições no que diz respeito a sua utilização pelas empresas que queiram sair do incomodo patamar dos centavos, na verdade até estimula essa prática. O que se vê, no entanto, é uma utilização indiscriminada que permite um fôlego ilusório a mais para a empresa e, em contrapartida, um impacto geometricamente negativo para os seus acionistas.

Continue Reading

Tendência